fbpx

junho 22, 2021

Conheça as não-conformidades laboratoriais

Gerir a qualidade é importante para empresas de todo e qualquer setor. Quem busca excelência e destaque em um mercado competitivo, seja ele qual for, sai à frente quando lança mão de uma gestão que preza pela qualidade e pela conformidade entre o que se espera e o que se oferece. As não-conformidades podem atrapalhar imensamente este processo.

No caso das instituições de saúde, a gestão da qualidade pode ser útil em diversos aspectos: apontar não-conformidades e pontos a melhorar, evitar gargalos prejudiciais à rotina da empresa e, principalmente, controlar, coordenar e adequar as atividades executadas às normas exigidas pelas entidades fiscalizadoras.

Na prática, laboratórios, clínicas e hospitais que oferecem serviços que não condizem com o que prometem e, além disso, não seguem os padrões estabelecidos, perdem em credibilidade com pacientes e diante da concorrência.

Neste post, falaremos sobre as principais não-conformidades nos laboratóriosAfinal, quais são elas? Em outras palavras, quais são os deslizes mais cometidos pelas gestões dos laboratórios que causam impactos nos pacientes?

RECEPÇÃO/ATENDIMENTO INADEQUADOS

É na recepção que acontece um dos erros mais comuns: o cadastramento incorreto ou incompleto de pacientes e/ou pedidos.

Seja por desatenção, dificuldade para transcrever as solicitações dos médicos ou pela falta de processos estabelecidos para a recepção, erros nesta primeira fase costumam causar transtornos aos pacientes.

O cadastramento de informações é o primeiro passo para que todo o processo se dê de maneira correta. Os colaboradores devem estar treinados e informados em relação à importância de verificar se as informações cadastradas procedem, sejam relativas aos pacientes ou aos códigos de exames, por exemplo.

INFORMAÇÕES INADEQUADAS SOBRE PREPAROS PARA COLETAS E/OU COLETAS IMPRÓPRIAS

Seja no momento de orientar os pacientes em relação aos devidos preparos, seja no preenchimento incorreto do tubo, a área de coletas é a mais afetada por não-conformidades laboratoriais.

Além de ser fundamental capacitar os colaboradores para que a atenção seja sempre redobrada, um sistema de gestão automatizada pode evitar grande parte dos erros cometidos pela ação humana, como na identificação de pacientes e tubos.

O índice de recoleta, consequentemente, é diminuído, assim como os prejuízos causados pelo retrabalho.

ARMAZENAMENTO INCORRETO DE AMOSTRAS

Armazenar corretamente as amostras é fundamental para evitar resultados errados e perda de materiais.

A resolução RDC 302/2005 da Anvisa prevê, no parágrafo 6.1.10, que o transporte de amostras deve ser feito em recipiente isotérmico para garantir a estabilidade desde a coleta até a realização do exame. O intuito é preservar as boas condições do material biológico para a análise.

ANÁLISE INCORRETA DE AMOSTRAS

Na fase analítica, a segunda etapa dos exames laboratoriais, dedicada à análise dos materiais coletados, é necessário que os profissionais estejam atentos e dominem todos os processos referentes à análise.

Aqui, é preciso verificar reagentes e amostras, instrumentos e etiquetas, a fim de evitar quaisquer gargalos ou processos que não estejam em conformidade com o Controle Interno de Qualidade.

ERROS NA INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

Tão importante quanto a exatidão no momento da coleta e da análise das amostras, a interpretação dos resultados deve ser feita de maneira mais eficiente e assertiva possível.

Um laudo orienta cerca de 70% das decisões médicas – este índice prova o quanto é fundamental que o laudo contenha informações corretas. Os técnicos de laboratórios precisam estar atentos para fazer a análise da melhor forma possível para que os médicos possam diagnosticar pacientes corretamente e orientá-los em relação aos tratamentos e medicações.

CONTROLE DE ESTOQUE E FATURAMENTO

Gerir a quantidade de materiais, reagentes, tubos, produtos químicos, entre outros, é uma parte essencial para manter a qualidade das empresas. Controlar a quantidade de produtos pode minimizar a quantidade de materiais expirados e prevenir a falta de de estoque.

Controlar o faturamento e o fechamento diário do caixa interfere diretamente no funcionamento dos laboratórios. É importante ter um colaborador responsável que domine esses procedimentos.

Em ambos os casos – estoque e faturamento -, novamente vale ressaltar a pertinência de um sistema de gestão que automatize processos e faça contas e automaticamente, além de dar baixa em produtos e contabilizar materiais.

As não-conformidades são muitas vezes um entrave para quem quer ser acreditado, por exemplo. Elas representam impasses à gestão da qualidade.

O Quaent, sistema de gestão da qualidade para a saúde, tem um módulo que trata apenas das não-conformidades. Ele possibilita abertura de ocorrências por todos os usuários e a classificação das ocorrências por tipo determinado, além de possuir notificação automática dos envolvidos, vínculo de ação corretica, plano de ação com as NC’s e total controle das ações em todas as etapas. O módulo também conta com dashboard instantâneo de indicadores, possui vínculo da NC com o módulo de Gestão de risco e rastreabilidade total das informações.

Para conhecer todas as nossas soluções, entre em contato pelo WhatsApp (43) 3025-8222. Nos acompanhe também no FacebookInstagram, LinkedIn  e YouTube para ficar por dentro de todos os nossos conteúdos. Não deixe de compartilhar este post com os colegas!

 

Autora

Beatriz Amaro

Gosto de ler, escrever, estudar, ficar com os meus gatos e minha família: no meu tempo livre, gosto de me dedicar às coisas e pessoas - e animais, é claro - que amo. É a melhor forma que encontro de renovar minhas energias e trilhar meu caminho

>