fbpx

setembro 29, 2021

O controle de qualidade laboratorial, mais que um diferencial que pode ser apresentado por laboratórios, é um pré-requisito da Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, estabelecido na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 302/2005.

O objetivo do controle de qualidade nos laboratórios é padronizar, através de ações e procedimentos internos, os processos e resultados laboratoriais, além de estabelecer critérios para a realização de exames de análises clínicas, patologia e citologia.

Neste artigo, vamos te contar tudo o que você precisa saber sobre controle de qualidade laboratorial. Pronto? Siga a leitura e aprenda mais!

O que é o controle de qualidade laboratorial?

Como dissemos, o controle de qualidade laboratorial é mais que um diferencial – ele é um requisito previsto pela lei, e consiste em um conjunto de ações pensadas com o intuito de garantir a segurança, a qualidade e a eficiência de todos os processos relativos aos exames oferecidos pelos laboratórios.

Nesse sentido, é importante que haja a total colaboração dos gestores na avaliação dos pontos de melhoria com o intuito de traçar um planejamento estratégico focado na qualidade em si. Os resultados obtidos são medidos através de parâmetros estabelecidos junto ao plano de ação.

Como fazer um controle de qualidade eficiente?

Existem algumas formas através das quais os laboratórios podem lançar mão de um controle de qualidade eficiente, especialmente pensando nos pilares fundamentais da qualidade: segurança, melhoria contínua e processos otimizados. Vamos falar sobre elas? Siga a leitura!

Acreditação laboratorial

A acreditação laboratorial é um dos maiores objetivos de grande parte dos gestores dos laboratórios. Os certificados atestam a qualidade e a segurança dos serviços prestados pelos laboratórios e são concedidos por órgãos competentes que verificam a concordância com a legislação e todos os processos internos e externos da instituição.

Cada órgão acreditador possui diferentes requisitos para conceder as certificações aos laboratórios. Os gestores devem se atentar aos requisitos do órgão que preferirem e se certificar de que cumprem as normas estabelecidas.

A principal vantagem da acreditação é realmente ter um documento que atesta a qualidade dos serviços prestados pelo laboratório. Isso confere muito mais credibilidade à instituição e faz com que ela se torne mais competitiva em relação aos concorrentes.

Interfaceamento com equipamentos

O interfaceamento é a ligação direta dos equipamentos do laboratório com o sistema de gestão laboratorial utilizado pela instituição. Ao interfacear os equipamentos com o sistema, as informações emitidas por um são recebidas pelo outro e vice-versa.

Assim, os resultados dos exames realizados pelos clientes são enviados e liberados automaticamente pelo sistema. O Concent possui essa funcionalidade, que traz inúmeros benefícios: redução do tempo de cadastro, redução da transcrição manual de dados, redução da liberação manual de resultados, redução do tempo de análise do resultado e redução do tempo da entrega do resultado.

São benefícios que permitem que o laboratório economize recursos e aumente a produtividade da equipe. Além disso, aderir a soluções tecnológicas também está intrinsecamente ligado à qualidade, uma vez que a tecnologia é capaz de facilitar processos e conferir mais segurança a eles.

Investimento em biossegurança

Quando falamos em biossegurança, nos referimos às medidas relacionadas à integridade física do laboratório. O objetivo é garantir a segurança dos colaboradores e clientes. Na prática, isso significa esterilizar os equipamentos, tratar o ar, manusear corretamente as amostras, descartar os resíduos nos lugares certos, etc.

A biossegurança é fundamental para o controle de qualidade laboratorial. Não é possível que um laboratório possua altos padrões de qualidade se ele não é um ambiente seguro para as pessoas que o frequentam.

Mapear os riscos a fim de evitá-los é um bom começo. A utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) ou coletivos (EPCs) é imprescindível quando falamos em biossegurança, além da realização de treinamentos para a equipe e a utilização de determinados móveis e instrumentos de fácil manuseio e limpeza.

Controle Interno da Qualidade e Controle Externo da Qualidade

A RDC 302/2005, que prevê o Controle da Qualidade é dividido em Controle Interno da Qualidade e Controle Externo da Qualidade.

De acordo com a RDC 302/2005, 0 Controle Interno da Qualidade (CIQ) contempla os seguintes tópicos:

“a) monitoramento do processo analítico pela análise das amostras controle, com registro dos resultados obtidos e análise dos dados;
b) definição dos critérios de aceitação dos resultados por tipo de analito e de acordo com a metodologia utilizada;
c) liberação ou rejeição das análises após avaliação dos resultados das amostras controle.”

O Controle Externo da Qualidade, por sua vez, engloba os procedimentos listados a seguir:

“O laboratório clínico deve participar de Ensaios de Proficiência para todos os exames realizados na sua rotina.

Para os exames não contemplados por programas de Ensaios de Proficiência, o laboratório clínico deve adotar formas alternativas de Controle Externo da Qualidade descritas em literatura científica.

A participação em Ensaios de Proficiência deve ser individual para cada unidade do laboratório clínico que realiza as análises.

A normalização sobre o funcionamento dos Provedores de Ensaios de Proficiência será definida em resolução específica, desta ANVISA.

O laboratório clínico deve registrar os resultados do Controle Externo da Qualidade, inadequações, investigação de causas e ações tomadas para os resultados rejeitados ou nos quais a proficiência não foi obtida.

As amostras controle devem ser analisadas da mesma forma que as amostras dos pacientes.”

Gostou de saber mais sobre controle de qualidade laboratorial? Se tiver dúvidas, escreva para a gente e vamos trocar figurinhas!

Aproveite para nos acompanhar no FacebookInstagram, LinkedIn  e YouTube. Esperamos você!

Autora

Beatriz Amaro

Gosto de ler, escrever, estudar, ficar com os meus gatos e minha família: no meu tempo livre, gosto de me dedicar às coisas e pessoas - e animais, é claro - que amo. É a melhor forma que encontro de renovar minhas energias e trilhar meu caminho

>